Minha vida é uma tragicomédia e o autor deve ser um sádico malicioso...Na pauta certa ele escreve com seus garranchos o que ninguém consegue decifrar. É tinta vermelha, azul e preta. Ele usa BIC no papel reciclado. Rabisca, rabisca e de lá pende um palhaço. Ou boneca-bailarina. Materializa com seu riso louco e cá estou eu! Fantoche. Maneja os cordéis. E minhas pernas já moles de tanto caminhar sapateiam na chapa quente da vida, presas ao corpo incandescente. Na boca, o carmim só no biquinho e a pele fria como porcelana. Intocável aos olhos alheios. Ardentes, se vista de dentro... Ele pinta a dor até a exaustão e a histérica euforia. Ambas andam de mãos dadas na loucura e na eterna doçura. Eu fico aqui, tentando colar essas pecinhas - palavras tão carentes de um significado mais amplo - como um quebra-cabeça vital. Expurgando a alma de todo mal por essas valas, essas linhas... Mas que perfeito autor e que grande pilantra. Se me faz sentir dor e eu gosto, não me faz para o amor. E eu mando você embora, pois esse é meu jeito de amar... Mudando de assunto...não quero meus beijos de volta. Quero sentí-los no fio fino da canção e lembrar de você. Quero pregar você no mural com tachinhas coloridas, que é para identificar a seqüência do amor. Dos amores. O mural apinhado dessas mini-estacas multicor - não há só mais um, mas um único em cada um. Tenho um hobby. Coleciono dores, saudades e amores.Tudo na boa fé, eu juro! Enrolada num cobertor azul, os olhos ameaçam fechar. "Pasquim" me aguarda no quarto. Espero não ter me enganado quanto a você.

Comentários

Postagens mais visitadas