Postagens

Livro O Jardineiro Que Tinha Fé

Imagem
Nos últimos tempos, uma das coisas que me fazia falta era me surpreender com um bom livro. Com o advento da tecnologia móvel, aumentou a oferta e o acesso a conteúdos, muitas vezes superficiais - assim como passou a ser, em geral, nossa forma de ler. De tal forma que retomei com força o antigo hábito de ler em papel. Alguns livros, como num sopro, ganham vida quando os tocamos e também despertam algo dentro de nós.
Tenho um ritual pessoal para a leitura: me apraz escolher um lugar confortável e silencioso, pegar um exemplar com as duas mãos, tocar sua capa, sentir seu peso, a textura do papel quando passo os dedos, cheirar, ler as orelhas, folha de rosto, apreciar ornamentos e detalhes da capa, imaginar o que levou o designer gráfico a desenhá-la de tal forma, para então iniciar a leitura. Sim! Porque a experiência da leitura de um livro de papel, para mim, é muito superior à digital.
O primeiro presente que ganhei de meu pai foi um livro. Por muitos anos ele foi vendedor e foi isso …
Hei! A vida é frágil, sim! Uma flor, uma gota d'água, uma bolha de sabão, um amor...também! São frágeis e belos. As intempéries fazem parte do que chamamos vida. O caos e a harmonia são faces dessa mesma vida. A nós, cabe observar sem julgar e exercer a temperança.

Let it flow

Então é isso, eu sou dessas que ouve Belle & Sebastian e imagina um arco-íris jorrando sobre as pessoas, como se a vida fosse um filme bom. E é - boa, não um filme.

Há cerca de 15 anos eu ouvia heavy metal e meu sentimento era um misto de raiva/deprê/deslocada. A Cristine de 20 anos detestou Belle & Sebastian quando ouviu. A de 35 se diverte e sente amor/alegria/se deslocando.

Ouvi There's Too Much Love no filme Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (aliás, filmaço!!!) e me apaixonei pelo som. Me abri para conhecer mais sobre a banda e caí de amores. Tô contando tudo isso pra dizer que o que nunca imaginamos para nossa vida pode se tornar uma realidade, mesmo que não possamos alcançar isso em nossas mentes limitadas. E isso torna a vida muito mais interessante - do meu humilde ponto de vista -, porque abre infinitas possibilidades.

Pra mim, faz mais sentido viver com um rascunho do que traçar um caminho que nem sei se algum dia percorrerei. Estar aberta para o que a vida trouxer, d…

Metamorfose

Imagem
Sinto que está na hora. Após tanta confusão, tantas aventuras e dores, chegou o momento de deixar ir. É paradoxal, essa fusão-separação. É chegada a hora da passagem tão esperada, tão buscada. Sentimentos antigos se mesclam a coisas tão latentes e tudo parece renascer sob nova forma.

Boa parte desse processo estive desperta, mas tinha a parte inconsciente que sofria, por nada compreender, por sua pequenez, sua mediocridade tão natural e inocente. Como um animal acuado, apavorado pelas feras lá fora, me demorei tempo demais nessa caverna. Sou grata por esse casulo, esse lugar que me acolheu e protegeu por tanto tempo. Mas, agora, é preciso sair desse útero e vir à luz.

Não há nada mais que eu não possa enfrentar, após  lidar com todos os monstros dessa caverna, após me tornar íntima dessa escuridão, nada me assombra, nem derruba.

Babe I'm Gonna Leave You
_Led Zeppelin


Babe, baby, baby, I'm gonna leave you
I said baby, you know I'm gonna leave you
I'll leave you when the summ…

Divagações acerca do consumo e seus impactos

Nos últimos tempos, tenho pesquisado um bocado a respeito da origem de artigos que utilizo em meu dia a dia, seja na vida pessoal ou no trabalho, e os impactos gerados por eles. Quanto mais me informo, mais me choco sobre minha ignorância a respeito de coisas que fazem parte da minha vida. Um exemplo é a produção de fibras têxteis.

Pesquisando sobre materiais para utilizar em meu trabalho com fios, descobri que não existe uma fibra melhor que a outra, considerando as de origem animal, sintética e vegetal (sendo que nesse último grupo tem as fibras vegetais naturais, como o algodão, e as artificiais, aquelas que são "fabricadas" com base em uma massa vegetal).

Todas elas geram impactos em maior ou menor grau em diferentes pontos de seus processos de produção. Em geral, esses efeitos negativos são relacionados ao uso de produtos tóxicos (que podem emitir poluentes, contaminar o solo, a água e a fauna), altos gastos de energia e água, além de poder gerar problemas de saúde em se…

O dia em que minha cabeça se abriu

Imagem
Escrevo nesse dia vinte e um de dezembro de dois mil e dezessete, às vinte e uma horas e cinquenta e oito minutos, com uma sobrancelha arqueada pelo assombro por mim mesma. Pausa. Perplexidade. Eu nem sei por onde começo, pois me sinto como personagem do Matrix quando recebia um download de alguma habilidade nova.

O ano está acabando e eu sigo no mesmo ritmo de sempre - bem no estilo vata-kapha: às vezes correndo na velocidade da luz, às vezes quase parando e derretendo no meio do caminho. O famoso "oito ou oitenta". Pois bem, minha meta para 2017 foi conquistar paz e equilíbrio - palavrinhas forasteiras num vocabulário de extremos. E, quando já estava me dando por satisfeita com minhas conquistas (na total mediocridade de quem pensa que merecia mais pelo tanto de esforço que fez), eis que a vida me surpreendeu, mostrando que realmente sou pequena, muito pequena diante da vastidão desse universo, mas não menos importante do que tudo que nele há.
Fiz grandes coisas (ao menos …

Somos miseráveis?

Imagem
O argumento de muita gente para não comprar orgânicos é que "são caros" ou "mais caros em relação aos não orgânicos". É fato que o valor entre um e outro é diferente, mas o produto em si também é diferente: um tem veneno, o outro não.

Fiquei pensando a respeito desse argumento e cheguei à conclusão de que, se não temos dinheiro para comprar alimentos de qualidade, que não sejam envenenados, então somos miseráveis. Alimento, gente, uma das coisas essenciais na vida de qualquer ser humano.

Preciso deixar claro que me refiro nesse texto à classe de pessoas que tem o smartphone do momento, que paga caro pra comer e beber "gourmet". Para essa classe, a questão não me parece ser falta de dinheiro, mas opção: investir o dinheiro em uma rodada de cerveja "top" no fim de semana ok, mas comprar aquela cenoura orgânica não, porque é "mais cara". Compra-se a mais barata, afinal, é tudo cenoura...

Não é.

Orgânicos vão muito além de se preocupar so…