Sabe, eu não tenho escrito ultimamente. Às vezes escrevo longas histórias ou relatos em minha cabeça ao mesmo tempo em que eles ocorrem, mas não chegam a virar tinta em papel. Minha cabeça anda se adaptando à essa realidade toda, tentando se adaptar. Fazendo o possível para superar o julgamento das pessoas - e o próprio. Ando com as vísceras penduradas para fora e não procuro mais uma forma de escondê-las. Penso que estou tentando admitir minha identidade sem abafar muito as imperfeições, porém não fazendo alarde. Existem muitas idéias em minha cabeça para o amanhã que é agora. Confesso que me falta boa vontade, força, condição para assumir que eu posso passar por cima de todas essas pedras e me sair bem. Também, depois de tantas lapadas da vida, há de se ficar desconfiada... Estou avaliando minhas possibilidades e sei que todas são bem vindas, mas demandam muito trabalho. Acho que essa fase de me recuperar e fortalecer está longa demais. Se levar em consideração a premissa de que cada coisa tem seu tempo, é válido pensar que se deve aguardar. Aguardar? Tipo, ficar de braços cruzados? Ou será que o 'cada coisa tem seu tempo' supõe uma movimentação acima da vontade? Digo acima como quem constata que ficou esperando e o bonde passar e agora tem de ir à pé. Bem, de qualquer forma a escolha é sempre nossa, não? Livre arbítrio. Vou pensar melhor sobre isso.

Comentários

Postagens mais visitadas