Hoje saímos meu all star, meu sobretudo, minha bolsa psicodélica e eu, além dos apetrechos que me acompanham todos os dias. Fui levar o livro que a Lú me emprestou, a propósito, ajudou muito viu, Lú. Nem deu tempo de conversarmos e eu agradecer o quanto queria. A sangue frio, de Trumman Capote. Muito bom esse livro. Fantástico, eu diria. Entrei novamente naquele lugar que me traz indiferença, agora, e sinto que nem quero voltar tão cedo por lá. Voltei com a Vi. Conversamos sobre as coisas...Ai, que saudades dos meus amigos! É tão ruim não tê-los por perto, como antes. Estávamos voltando para casa e pensando na vida. Então decidimos – meu all star e eu – saltitar pela calçada esburacada, driblando as imperfeições. Passei pela casa dele e pensei que seria legal se nos víssemos. Mas eu seria somente um corpo frio interagindo com ele, minha cabeça flutuava...Ergui a cabeça num gesto tedioso e percebi o céu vermelho, não sei se gosto ou desgosto dele assim. Mas, ultimamente, esse céu vermelho aparece nos dias difíceis. Entrei em casa e vi que estava tudo colorido, como sempre. Minha mãe é colorida. Ela deixa tudo tão brilhante e tão vistoso e é tudo tão cheiroso, que me sinto deslocada. Ainda assim, pra mim é tudo preto-e-branco. Cheguei, larguei meu guarda-chuva e aqui estou. Esfomeada por comida e por palavras. Escolhi matar o segundo. Acho que vou descer e comer algo, agora. Meu all star e eu estamos muito cansados de perambular e pensar nesta vida...Quem sabe, uma cerveja fosse bom...Mas eu trabalho amanhã...

Comentários

Postagens mais visitadas